Notícias - Seal Ambiental - Compromisso com o meio ambiente

Go to content

Main menu

Resíduo “tipo exportação” que sai de Suape

Publicado por Marcelo em Meio Ambiente • 2/2/2012 02:53:29
Tags: ResíduoSuapeCetrelCinal

O porto, que é a menina dos olhos do governo do estado, manda seus resíduos para a Bahia e Alagoas

“Queridinho” da nova economia pernambucana, o Complexo Industrial Portuário de Suape, contudo, mesmo entrando quase na sua quarta década com anúncios de mega investimentos, como o Estaleiro Atlântico Sul e a Refinaria Abreu e Lima, fez pouco pelo meio ambiente, apesar de ter como “cláusula pétrea”, a preservação de 50% da mata nativa da região. Seu passivo ambiental já beira os R$ 16 milhões. E ainda há problemas importantes a serem resolvidos, como a destinação final de seus resíduos sólidos.

Por incrível que pareça, Suape não faz o tratamento e a transformação de seu lixo em seu próprio território. Esses resíduos sólidos são “exportados” através de duas empresas contratadas pelas companhias: a alagoana Cinal (Companhia Alagoas Industrial) e a baiana Cetrel, essa última, uma ex-estatal.

Não há um levantamento preciso de quanto desse lixo especial sai de Suape mensalmente nem o valor gasto pelas empresas para mandar esses resíduos para fora dos limites do estado. O fato é que sai caro, e além de ser um problema ecológico, torna menos competitivo o complexo. A Cetrel, por exemplo, que tem boa parte dos contratos (as empresas são obrigadas pela legislação ambiental brasileira a dar fim a esse material) é um bom exemplo de como poderia ser, caso houvesse alguma coisa nesse sentido dentro do próprio porto.

A empresa da Bahia faz parte de um “velho colega” de Suape, o Complexo de Camaçari, que teve seu desenvolvimento em um período anterior ao boom econômico que hoje ronda Pernambuco. Estando lá dentro, o lixo industrial atravessa poucos quilômetros até chegar ao centro de transformação da companhia. Os resíduos líquidos, (que em Suape, com exceção de produtos tóxicos especiais, é tratado e despejado no mar) vão direto para a Cetrel por tubulações ligadas às empresas, tornando esse tratamento obrigatório, além de mais barato, bem mais “lógico”.

“Realmente, não faz sentido não ter isso ainda hoje em Suape. Não há porque mandarmos esse lixo para tão longe”, admitiu o gerente ambiental do complexo de Ipojuca, Ricardo Padilha, que afirmou, porém, que Suape lançará, até o segundo semestre deste ano, um edital para trazer uma empresa transformadora de resíduos para Pernambuco.

Tanto a Cinal quanto a Cetrel (que já demonstrou interesse anteriormente de vir para Suape) são fortes candidatas. O negócio é bom: além da venda e transformação de produtos recicláveis, as duas companhias citadas também trabalham com a transformação de lixo orgânico em gases e até cloro.

Fonte :
Pernambuco.com



O impacto da atuação individual

Publicado por Marcelo em Meio Ambiente • 1/2/2012 22:50:32
Tags: Impactoambiental
Você só precisa de 0,5 litro de água para escovar os dentes, mas gasta uma média de 13,5 litros se deixar a torneira aberta. Se a população do Recife ...
Back to content | Back to main menu